Madeireiros do Amarante se revoltam com Polícia Federal e Ibama

Equipes da Polícia Federal (PF) e do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) foram alvos, na tarde de ontem, da revolta de madeireiros que atuam em Amarante do Maranhão, distante 679 km da capital maranhense.
Enquanto os integrantes da PF e do Ibama efetuavam a apreensão de madeira extraída de forma irregular de uma aldeia indígena, localizada no entorno da MA-122, próximo a Amarante, os madeireiros bloquearam a estrada vicinal que dá acesso à aldeia, impedindo o retorno dos policiais federais e analistas ambientais deslocados para a missão. Homens da Polícia Militar de Imperatriz, a 90 km de Amarante do Maranhão, e equipes do Grupo Tático Aéreo (GTA) foram encaminhados para o local do impasse.


De acordo com o comandante do 3º Batalhão da Polícia Militar de Imperatriz, Edeilson Carvalho, o bloqueio da estrada ocorreu por volta das 16h de ontem. “Recebemos essa informação e, imediatamente, acionamos homens do nosso efetivo para dar apoio aos policiais de Amarante, que, até o início da noite de hoje [ontem], permanecem no local, que é de difícil acesso. Daí a dificuldade em resolver o caso, já que também, pelas informações preliminares, os madeireiros estavam bastante revoltados e pouco propensos a permitir a passagem da Polícia Federal e do Ibama”, disse.

Ainda segundo o comandante do 3º Batalhão, não é a primeira vez que são registrados conflitos ou impasses na região, envolvendo a extração ilegal de madeira. “Os madeireiros daquela região são unidos. Quando um tem o negócio prejudicado, os outros tentam ajudar quem está sendo prejudicado de qualquer maneira. Nunca pensei que fossem chegar a esse extremo e impedir o trabalho da polícia”, disse.
Até o fechamento desta edição, não havia informações sobre o fim do impasse.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *