Nova lei eleitoral reduziu caixa dois, diz idealizador da Ficha Limpa

Carlos Madeiro
Colaboração para o UOL, em Maceió 

O advogado Márlon Reis
O advogado eleitoral e idealizador da Lei da Ficha Limpa, Márlon Reis, afirmou nesta segunda-feira (31) que os gastos não declarados em prestações de contas dos candidatos, o conhecido “caixa doi”s, foi reduzido em 2016 com a nova legislação –que vetou a doação de empresas a candidatos e partidos.
Para ele, a maior vigilância de órgãos de fiscalização e do próprio eleitor causou receio a candidatos e partidos.
“Afirmo que houve queda baseado na observação da realidade. Houve uma evidente redução dos valores disponíveis –o que fez também baixar a intensidade das campanhas. Se o caixa dois estivesse sem controle, atingindo níveis alarmantes, nós veríamos campanhas opulentas, e prestações de contas revelando movimentações financeiras baixas, e não ocorreu isso”, disse à reportagem do UOL.
Reis afirma que o modelo experimental adotado nas eleições de 2016 foi deve ser comemorado, mas assegurou que a mudança de patamar para eleições livre de corrupção eleitoral ainda necessidade de tempo.
“Não podemos achar que a cultura política muda de uma hora para outra. Porém, esse passo [de proibir doações de empresas] foi importante. Precisamos de eleições mais modestas; e isso nós tivemos, foi possível testemunhar Brasil afora. Erros existiram, claro, mas as campanhas foram modestas, e isso não é um valor que merece não só ser ser comemorado, como aprofundado”, disse.
Sobre a compra de votos por candidatos, o advogado afirma que não acredita em aumento, ou redução nessa eleição. Para Reis, com a nova lei, os casos foram mais percebidos e denunciados.
“As classes suscetíveis a essa prática se submetem a esse tipo de outorga do voto independente do sistema. A compra sempre ocorreu em níveis alarmantes. Só que a prática era pouco observada porque ficava obscurecia por campanhas hollywoodianas e milionárias. Agora, com as campanhas mais baratas e cruas, o fator compra de voto passou a ter mais visibilidade”, afirmou.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *